AIRES DE GAMEIRO

CARLOS MENSIL

DIANA POLICARPO

DIOGO EVANGELISTA

GONÇALO PRETO

HORÁCIO FUTUOSO

INÊS NORTON

JOANA ESCOVAL

PAULO ARRAIANO

TERESA BRAULA REIS

Active Synthesis é uma exposição que pretende criar novos diálogos com as gerações mais jovens de artistas portugueses, e que conta com a participação de dez artistas que atualmente vivem e trabalham em Portugal.


A exposição tem como ponto de partida o imaginário dos jogos de sobrevivência, que de forma transversal à realidade representam uma espiral cíclica de repetições, ao longo do qual os momentos de crise e retrocesso na compreensão humana do Universo são tão inevitáveis quanto o progresso global da espécie humana.


O título da exposição é um conceito abordado pelo filósofo francês Gilles Deleuze no seu livro Diferença e Repetição, publicado em 1968. Um dos seus pontos mais importantes é que, na história, como na filosofia, tanto a diferença quanto a repetição sempre foram entendidas como negativas, qualidades derivativas que só existem em relação a uma entidade única. Assim como Deleuze, os jogos de sobrevivência tentam entender a diferença em si e a repetição, não como algo finito, mas como uma reinvenção, uma “força ativa que produz diferença”.


Estas ideias são exploradas na exposição Active Synthesis através de manifestações artísticas recentes. Ainda assim, um exame mais detalhado revela diferenças cruciais entre iterações, o que diz muito acerca das condições sociais e políticas, da expressão individual e a alegria da invenção artística Portuguesa.


Este grupo de artistas apresentam-nos obras que exploram ideias de diferença dentro da repetição. Focam a nossa atenção em detalhes subtis, à medida que estranhas narrativas se misturam, interconectam e fantasiam sobre o passado, presente e futuro. Vários temas são comuns a distintos corpos de trabalho. Algumas obras exploram conceitos da intervenção humana e suas fragilidades, ou a importância do toque humano no processo criativo. Outros desafiam a conformidade e a padronização que podem ser impostas pelo clima político, rituais religiosos ou tecnologia.


As peculiaridades da comunicação e o poder manipulador da linguagem são outro motivo recorrente. E, por fim, nuances ainda não descobertas, ou talvez, algo a ser encontrado novamente.

Exposições Anteriores
+ OS BATISMOS DE MEIA NOITE

17.09.2022 - 27.11.2022

ver mais

+ MEDIR, CUIDAR, ENLAÇAR

31.03.2022 - 19.06.2022

ver mais

+ OLD CITIES ENCLOSED BY ANCIENT WALLS

30.06.2022 - 11.09.2022

ver mais

+ WHEN I THINK OF YOU I SHIVER IN AWE

17.12.2021 - 11.03.2022

Ver mais

+ LOOKING UP FROM UNDERNEATH

23.09.2021 - 23.11.2021

Ver mais

+ JORGE PINHEIRO

01.07.2021 - 08.09.2021

Ver mais

+ LUGARES COMUNS

09.04.2021 - 18.06.2021

Ver mais

+ MALALA ANDRIALAVIDRAZANA

11.09.2020 - 30.11.2020

Ver mais

+ Mesa dos sonhos: Duas coleções de arte contemporânea

20.05.2020 - 31.07.2020

Ver mais

+ Plague Vector

08.11.2019 - 15.02.2020

Ver mais

+ Oliver Laric — Walking Sideways

05.04.2019 - 22.06.2019

Ver mais

+ Corpo, abstracção e linguagem na Arte Portuguesa

23.01.2019 - 24.03.2019

Ver mais

+ Comedores de Rosas, ides beber da Lua!

12.09.2018 - 12.01.2019

ver mais

+ The anthropologist in me

28.04.2018 - 02.09.2018

ver mais